Pular para o conteúdo principal

Saramago: "O Conto da Ilha Desconhecida"


"Somos seres desejantes destinados à incompletude, e é isso que nos faz caminhar"
 Jacques Lacan

Esse texto foi bem difícil de nascer, foram dias para que eu encontrasse o tom adequado para essa conversa. E depois de uma semana mexendo, tirando e pondo palavras aqui, hoje numa conversa com uma amiga querida, percebi por que tanta resistência para enfrentar essa ilha desconhecida de José Saramago. Porque o que ocorre neste conto acontece diariamente em sessões de terapia ou mesmo numa conversa entre amigos: a busca por si mesmo. Afinal quem sou eu? Buscar descobrir-se parece ser uma das questões fundamentais dos seres humanos. A sensação de incompletude é o que nos move frente a essa angústia que nos coloca a olhar para vida a perguntar: quem sou eu nessa vida que vivo?

Quantos de nós nos colocamos a pensar se a vida que estamos vivendo foi de fato escolhida por nós ou corresponde a algo inicialmente imaginado ou mesmo esperado por nós culturalmente. Quem somos nós frente às escolhas que fazemos todos os dias: no trabalho, na família, com os filhos. Como reconheço a minha personalidade frente a tantas demandas, afinal o que nos move? Esse é um dos temas mais caros num processo terapêutico, pois, de alguma forma, sentimos a necessidade de algo, que não está no nível consciente, tentamos responder a isso de forma concreta com aquilo que vamos construindo em nossa vida: a busca de um trabalho, de amigos, de amor, de dinheiro, dos filhos, enfim, damos concretude a algo não nomeável ainda.

Em O Conto da Ilha Desconhecida*, do escritor português José Saramago, temos um homem também nesta busca, ele vai à casa de um rei pedir-lhe um barco. Ele junta-se a outras pessoas que batem à porta das petições para fazerem seus pedidos, que só eram ouvidos quando o bater da porta chamava a atenção da vizinhança. Porém a resposta seguia todas as vias burocráticas, já que o rei chamava pelo 1º ministro, que passava ao 2º, até chegar à mulher da limpeza que, pela sua função, não tinha ninguém abaixo dela, por isso ficava encarregada de abrir a porta, ouvir o pedido e encaminhá-lo. E o homem pediu para falar com o rei pessoalmente:

"Repartido pois entre a curiosidade que não pudera reprimir e o desagrado de ver tanta gente junta, o rei, com o pior dos modos, perguntou três perguntas seguidas, Que é que queres, Por que foi que não dissesse logo o que querias, Pensarás tu que eu não tenho mais nada a fazer, mas o homem só respondeu à primeira pergunta, Dá-me um barco, disse. [...]

E tu para queres um barco, pode-se saber, foi o que o rei de facto perguntou quando finalmente se deu por instalado, com sofrível comodidade, na cadeira da mulher da limpeza, Para ir à procura da ilha desconhecida, respondeu o homem, Que ilha desconhecida, perguntou o rei disfarçando o riso, como se tivesse na sua frente um louco varrido, dos que têm mania das navegações, a quem não seria bom contrariar logo de entrada, A ilha desconhecida, repetiu o homem, Disparate, já não há ilhas desconhecidas, Quem foi que te disse, rei, que já não há ilhas desconhecidas, Estão todas nos mapas, Nos mapas só estão as ilhas conhecidas [...]"

Esse homem tem uma demanda: encontrar a ilha desconhecida. É visto como um louco que não pode ser contrariado, mas seu pedido desperta no rei a curiosidade. Quem é este homem impertinente que ousa retirá-lo de suas ocupações habituais? Alguém que pede algo concreto (um barco) para ir ao encontro de algo aparentemente inexistente: uma ilha desconhecida, que não se encontra nos mapas. Qual a proximidade do desejo deste homem com os nossos desejos? Ao olharmos para esse diálogo entre o rei e o homem, vemos que a possibilidade de traduzir uma demanda em palavras é algo que nos auxilia no reconhecimento do que nos move, mesmo que em nossas palavras ainda não esteja totalmente presente o que de fato buscamos, já que muito desse conteúdo pode estar inconsciente. Traduzir o que sentimos e o que desejamos em linguagem é uma das formas de adentrarmos nesse universo que somos nós. Em nossa próxima conversa, acompanharemos esse homem nesta viagem para a ilha.

Até lá!

Gláucia Luiz Gotardo.


*SARAMAGO, José. O Conto da Ilha Desconhecida. Companhia Das Letras, 1998.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carrascoza: "Aos 7 e aos 40", Parte 2, Inevitável Tempo

Quando iniciamos este espaço com a reflexão sobre o livro “Aos 7 e aos 40”, de João Carrascoza, parece ter faltado a relação que tanto desejamos: pensar a semelhança entre a narrativa do autor e a nossa. O que se passa no intervalo de tempo entre a infância e a fase adulta? Por que esse livro me causou tanto impacto como eu afirmei anteriormente? Por que meu  desejo de abraçar o personagem ao terminar de ler o livro? A resposta, que não havia sido dada claramente no primeiro texto, está aqui: foi sua proximidade comigo! Estou nesta faixa etária "aos 40" e isso mexeu bastante comigo: uma história que emociona e dói. Foi isso que senti quando terminei, como é doído o envelhecimento e, principalmente, o balanço da vida. A passagem do tempo nos toca sem percebermos exatamente, quando nos damos conta, estamos lá aos 40. Como ocorre essa passagem tão sutil e tão precisa? Essa obra mostra-nos quanto de nós se construiu na infância e nos acompanha ao longo da vida, sejam os medos, s…

Carrascoza: "Aos 7 e aos 40"

"A vida era o que era, e ele cada vez mais longe de sua fonte, mesmo se de volta a ela, como agora - tudo no caminho é para ficar lá atrás, pessoas carregam só aquilo que deixam de ser, o presente é feito de todas as ausêcias." Carrascoza.
Recentemente uma de minhas poetas prediletas, Roseana Murray (logo conversaremos sobre ela aqui)  escreveu que, ao terminar de ler um livro, quando se apaixona por ele, tem vontade de beijá-lo, como se fosse de carne e osso. Assim me senti quando terminei de ler "aos 7 e aos 40",  do escritor João Anzanello Carrascoza, da editora Alfaguara. Queria abraçar aquele homem e dizer-lhe quantas vezes tinha me sentido assim, invadida por palavras que insistiam em não sair. A narrativa poética de Carrascoza nos coloca junto dos silêncios que compõem a vida das personagens. Alternam-se cenas do menino e do homem. Num capítulo, acompanhamos o menino que cresce rodeado de cuidados da mãe e da companhia do irmão, numa infância permeada pela des…