Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2017

Carrascoza: "Aos 7 e aos 40"

"A vida era o que era, e ele cada vez mais longe de sua fonte, mesmo se de volta a ela, como agora - tudo no caminho é para ficar lá atrás, pessoas carregam só aquilo que deixam de ser, o presente é feito de todas as ausêcias." Carrascoza.
Recentemente uma de minhas poetas prediletas, Roseana Murray (logo conversaremos sobre ela aqui)  escreveu que, ao terminar de ler um livro, quando se apaixona por ele, tem vontade de beijá-lo, como se fosse de carne e osso. Assim me senti quando terminei de ler "aos 7 e aos 40",  do escritor João Anzanello Carrascoza, da editora Alfaguara. Queria abraçar aquele homem e dizer-lhe quantas vezes tinha me sentido assim, invadida por palavras que insistiam em não sair. A narrativa poética de Carrascoza nos coloca junto dos silêncios que compõem a vida das personagens. Alternam-se cenas do menino e do homem. Num capítulo, acompanhamos o menino que cresce rodeado de cuidados da mãe e da companhia do irmão, numa infância permeada pela des…

A origem

A ideia de criar esse espaço sobre a literatura e sua relação com a psicologia tem como objetivo conversar sobre as narrativas humanas, guardadas nos livros e pensar o quanto elas falam de nós e dos outros. Pensei em começar com livros que recentemente me tocaram pela sensibilidade, por tratarem de maneira tão singular assuntos tão caros a nós: angústia, incertezas, alegria, tudo o que nos permeia ao longo da vida.
O nome "Freud lê" sintetiza o desejo de lermos para compreender. Assim como Freud, que leu muitos livros para tentar compreender a essência humana. Inicialmente, houve receio de que esse nome pudesse gerar uma restrição, como se as abordagens não psicanalíticas não estivessem contempladas, mas falar dos seres humanos e suas histórias vai ao encontro de todas as abordagens da Psicologia.

Freud_lê nasce de desejo de compartilhar leituras e diálogos num tempo em que gastamos horas lendo posts e mensagens nas redes sociais que não nos levam a dialogar. Sinto essa ausênc…